sábado, 20 de maio de 2017

REFLETINDO E CONTEMPLANDO AS MEDIDAS.

Você algumas vez fez esta pergunta a Deus: O por que eu?

Eu já fiz esta pergunta muitas vezes, ou outras semelhantes. Imagine que você tenha dez filhos e diga ao menor  deles "pegue isto para mim na sala", e ele indague a você: -"O por que eu?"
Você já passou por isto? Não existia pessoas ao seu lado mais qualificadas  tecnicamente para executar a obra? Medite sobre isto, antes de ler esta matéria sobre as medidas da história.

 Deus esta com suas medidas estabelecidas, não o homem no controle de sua vida, ainda que este pode decidir entre um ponto e outro,  e este não pode de forma nenhuma frustrar o projeto de Deus. Não existe poder no mundo que faz o que quer, a despeito de  Deus. Quero reafirmar, tolerância não é plano, e é por este motivo que Deus estabelece Seus limites. Uma criança tem liberdade de brincar no quintal da casa de seus pais, mas tem um limite estabelecido do distanciamento dos pais.
Sabe qual seria a maior dificuldade do mundo hoje? Não seria a dificuldade de entender e confiar que Deus esta no controle de tudo? Não estamos sendo bombardeado por muitos falsos  expias modernos, que publicam diariamente vídeos e matérias, apresentando que um ou outro grupo ou corporações estão na direção deste mundo? Encontraríamos alguém que diga com confiança de Calebe e Josué, que Deus nos dará a vitória? Seria os cananeus de nosso tempo mais poderosos que os gigantes da terra de Canaã? Seria os lideres dos cananeus de hoje mais poderoso que o Deus que tem todas as medidas ou limites deste mundo na palma de Suas mãos?
Temos que  fazer  o mesmo que Josué e Calebe, ao estudar e publicar falar que Deus esta no controle das coisas, não o homem. Você pode duvidar da palavra de Deus, mas como pode duvidar da ciência da história humana, que durante tanto tempo testemunha do poder de Deus?




Eu costumo dizer que Ezequiel era o profeta das medidas em um momento em que houve, e que não havia santuário na sua época. Ele falava de medidas de um santuário fisicamente ou estruturalmente inexistente. O cristianismo não faz o mesmo hoje? Não se demora em falar de um templo que um dia existiu em Jerusalém mas que foi destruído no ano 70 de nossa era? Não esta muitos cristãos no exilio e escravidão em muitos lugares da Terra, como se encontrou Ezequiel parte de sua vida? Não necessitava Israel ver as medidas do templo inexistente? Diz Deus ao profeta:

 " Tu, pois, ó filho do homem, mostra à casa de Israel esta casa, para que se envergonhe das suas maldades, e meça o modelo.
  E, envergonhando-se eles de tudo quanto fizeram, faze-lhes saber a forma desta casa, e a sua figura, e as suas saídas, e as suas entradas, e todas as suas formas, e todos os seus estatutos, todas as suas formas, e todas as suas leis; e escreve isto aos seus olhos, para que guardem toda a sua forma, e todos os seus estatutos, e os cumpra" EZEQUIEL 43:10,11

Poderia um povo ver as medidas do santuário e se envergonhar? Poderia ver você as medidas da história da igreja cristã na Terra, e se envergonhar por duvidar de um Deus que esta no controle de todas as coisas e de sua vida? Olhará você para estas medidas, e dirá: "nosso povo irá vencer, e entrar na Terra prometida?"
Mais que isto, se envergonhará de suas duvidas a respeito do poder Deus?  Se resistir a isto, não entenderá Suas saídas e Suas entradas, Sua forma, como os estatutos.
O entendimento a respeito destas coisas apresentadas pelo profeta, não depende do profeta, depende de você!


Você só irá entender os assuntos relacionado ao santuário de Deus, se você parar de duvidar de um Deus que tudo pode. Olhai não somente para a bíblia, Deus pede para você olhar para as coisas da natureza, para seres vivos, e ainda inanimadas,  para que creia que Ele existe. Contudo para se envergonhar de sua falta de fé olhe para as medidas do santuário, e retome sua confiança, para que no final venha entender as saídas e entradas, e seus  significados. Deus apresenta Suas condições, terá que se envergonhar de duvidar de Deus nas pequenas coisas, afinal, seus problemas  não são muito insignificantes, perante um Deus tão poderoso?

Eu sei que hoje sai um pouco do perfil de alguém que prioriza  apresentar à história, mas você também faz parte desta história, como falaria toda história se não refletir com você um pouco de nossa história?
Você pode imaginar, sou tecnicamente inferior a meus irmãos, mas quem decide quem irá, e quem ficará não é você. Confie em Deus!
Entregue todos os dias sua vida a um Deus que criou o Céu e a Terra e descansou no Sétimo dia,  e  ainda que não conheça Ele como deveria. Esta é nossa necessidade!
Antes de crer na sua capacidade, creia em Deus!



Ao olhar para a linha do tempo acima você talvez venha se perguntar: "O que teria haver a queda de Constantinopla com nossa história ?"
Constantinopla ficava no caminho para a busca de especiarias que sustentava o mercado Europeu, com sua queda no ano 1453, tanto a Espanha como Portugal, iniciou uma aventura pelo mar com o objetivo de encontrar outro mercado que suprisse as suas  necessidades, Consequentemente foi descoberto o Brasil em 1500. Então a queda de Constantinopla e o domínio turco Árabe tem muito mais influencia em nossa história que imaginamos. Poderíamos dizer que; A nossa história se iniciou de certa forma em 1453, com a queda do império Bizantino, 47 anos antes dos portugueses chegar em terras Brasileiras.


Veja, somando ao ano 570 data do nascimento de Maomé, mais  1377*1378 anos, você chegará ao ano 1948, data da criação do Estado de Israel. Utilizando esta mesma medida 1378 anos saindo do ano 621 você chegaria no ano 1999 data em que o Brasil para homenagear a "Mesquita Brasil" de fé Islâmica em São Paulo, introduz no mercado o selo comemorativo dos 70 anos, de sua existência no Brasil e na America latina. A Mesquita islâmica de São Paulo foi a primeira do Novo Mundo, (America Latina).


Esta matéria terá acrecemos de informações no futuro.

Um abraço a todos e tenham um bom dia!

jjcordeluz@hotmail.com



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço desde já pelo seu comentário, positivo ou critico.