segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

HISTÓRIA DE ISRAEL E HISTÓRIA DOS ARMÊNIOS


A HISTORIA DE ISRAEL VISTO DE CIMA.


Pode parecer estranho, mas alguns eventos ligados a história tem testemunhado que Deus ainda esta no controle de tudo. No livro de Jeremias é indagado:
"Pode alguém quebrar o ferro, o ferro do norte, ou o aço?" Jeremias 15:12
Sempre na história da humanidade, existiu pessoas á indagar sobre a possibilidade de os poderes opressores ter sua paga. Teria fim, ou deixariam de oprimir algum dia? O quadro abaixo testemunha a este respeito.



 Judeus espalhados pelo mundo indagavam, se um dia estariam livres de seus opressores. O holocausto do governo Turco, foi sem duvida nenhuma, horrível também com os armênios 1915-1917.



O holocausto armênio é como é chamada a matança e deportação forçada de centenas de milhares ou até mais de um milhão de pessoas de origem armênia que viviam no Império Otomano, com a intenção de exterminar sua presença cultural, sua vida econômica e seu ambiente familiar, durante o governo dos chamados Jovens Turcos, de 1915 a 1917.


Caracterizou-se pela sua brutalidade nos massacres e pela utilização de marchas forçadas com deportações, que geralmente levava a morte a muitos dos deportados. Outros grupos étnicos também foram massacrados pelo Império Otomano durante esse período, entre eles os assírios e os gregos de Ponto. Alguns historiadores consideram que esses atos são parte da mesma política de extermínio. Está firmemente estabelecido que foi um genocídio, e há evidências do plano organizado e intentado de eliminar sistematicamente os armênios. É o segundo mais estudado evento desse tipo, depois do Holocausto dos judeus na Segunda Guerra Mundial.


Vários estudiosos afirmam que, em 1939 nas vésperas da invasão da Polônia, enquanto uma grande quantidade deles permaneceu no local, especialmente na Armênia, muitos espalharam-se por todo o mundo, como resultado da diáspora armênia. Historicamente os armênios têm uma presença significativa em países como a Geórgia, Irã, Rússia e Ucrânia, devido à proximidade entre seus territórios. Depois do genocídio armênio um grande influxo de sobreviventes deslocou-se à França, aos Estados Unidos, Argentina, Brasil, ao Levante e a outros países que lhes acolheram. Estima-se que existam cerca de 8 milhões de armênios ao redor do mundo.

O Uruguai foi o primeiro país do mundo a reconhecer os massacres como um genocídio, em 1965. Atualmente, mais de 20 países reconhecem, incluindo França, Itália e Rússia. A Argentina também fez o reconhecimento. O país abriga a maior comunidade armênia da América Latina e a terceira do mundo, com quase 100.000 membros. Mas somente 12/04/2015 o papa Francisco, em publico reconhece este genocídio. Muito comum da cúpula, deixar passar por volta de um século para se manifestar publicamente sobre a morte de milhares de pessoas.



Cristianizada no início do século IV, a Armênia arsácida tornou-se a primeira nação cristã, embora o cristianismo tenha começado a se espalhar no país logo depois da morte de Cristo, devido aos esforços de dois de seus apóstolos, São Tadeu e São Bartolomeu; a maior parte dos armênios segue a Igreja Apostólica Armênia, uma igreja não-calcedoniana. Falam dois dialetos diferentes, porém mutualmente inteligíveis do armênio: o armênio oriental é falado principalmente na Armênia, no Irã e nas repúblicas da antiga União Soviética, e o armênio ocidental é falado principalmente por imigrantes armênios ao redor do mundo.







Lembrando que ano 301 DC. o Estado Armênio adotou o cristianismo formalmente como religião oficial, 12 anos antes do imperador Constantino , como conhecido, Igreja Ortodoxa Grega. 
Como vemos o gráfico vemos que depois do território Armênio formalizar o cristianismo como religião oficial do estado se passa 753 anos e acaba tendo uma cisão na igreja,

ORTODOXA GREGA E A IGREJA DE ROMA.
FUNDAÇÃO DO VATICANO

Em 753 DC. 
Pepino envia Crodegango de Metz para dirigir no reino dos Francos o Papa Estevão II. O Papa Estevão resolve atravessar os Alpes para pedir socorro ao rei dos francos. Esta busca por ajuda
resultou  na doação ano 754 do Exarcado de Ravenna, da Córsega, da Sardenha e da Sicília ao papa.

Na viagem que fez a França em 754, o Papa Estêvão III foi recebido por Pepino o Breve em sua villa de Quierzy-sur-Oise em janeiro. Um tratado foi assinado criando os Estados Pontifícios pela doação do Exarcado de Ravenna, da Córsega, da Sardenha e da Sicília ao papa. Em contrapartida, este reconhecia a dinastia carolíngia. Esta doação foi confirmada em 774, em Roma, por Carlos Magno, filho de Pepino. A doação de Pepino ou tratado de Quierzy , em 754, criou os Estados Pontifícios.

1053 

Quando Miguel Cerulário se tornou patriarca de Constantinopla, no ano de 1043, deu início a uma campanha contra as Igrejas latinas na cidade de Constantinopla, ordenando o fechamento de todas em 1053, envolvendo-se na discussão teológica da natureza do Espírito Santo, questão que viria a assumir uma grande importância nos séculos seguintes.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_Cisma

REFLEXÕES:

Como podemos ver, os acontecimentos com períodos semelhantes pode deixar uma oportunidade para pessoas como "Judas", ou seja, tanto para me criticar no que diz respeito as minhas pesquisas, como para usa-las de forma à desviar o contesto da história.
Eu tenho por base a história e a bíblia para seguir em frente. Em primeiro lugar sou uma pessoa de origem simples, não tenho por princípios ganhar dinheiro com as pesquisas já publicadas, ou  ainda com aquelas que não estão  publicadas.
É certo que isto incomoda muita gente. É certo que dedico grande parte do tempo disponível em minhas pesquisas, mas tudo vem de Deus. Assim não existe méritos em mim, mesmo na história publicada. "De graça recebei de graça compartilhe".