quinta-feira, 21 de setembro de 2017

HISTÓRIA E O SANTUÁRIO.

MEDIDAS DA HISTÓRIA E O SANTUÁRIO.

Toda história tem suas medidas, tanto para seu inicio ou quanto ao seu fim. Podemos estudar estes pontos como  como se fosse um grande santuário.
Mesmo Deus ao falar com Daniel, apresenta a necessidade de observar uma saída.
"Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias."  (Daniel 9 : 25)
Assim também disse o Senhor a Ezequiel:
(Ezequiel 43:10) "Tu, pois, ó filho do homem, mostra à casa de Israel esta casa, para que se envergonhe das suas maldades, e meça o modelo". Estas medidas tem suas saídas e  entradas". " faze-lhes saber,... as suas saídas, e as suas entradas".  (Ezequiel 43:11)
Mas por qual motivo Deus não revelou o fim, e sim, suas saídas e entradas? A saída seria de onde pode-se partir na medida. E as medidas poderiam não ser o fim, por este motivo se apresenta como uma entrada.

A saída no livro de Daniel é muito clara na profecia, mas as saídas de cada setor do santuário no livro de Ezequiel ou parte do livro de Apocalipse ainda esta oculta, assim como as entradas.
Quando a profecia de Apocalipse 11:1-3  apresenta as medidas do pátio externo do templo como tendo 1260 anos, esta  apresentando um período constituído. Ao se ter em mente que a saída seria em 538 dC a entrada para um novo ciclo seria 1798 dC. assim, 1798 seria tanto uma a entrada como a saída para um novo ciclo.
Isto me faz imaginar, quanto mediria em anos os outros compartimentos, desde suas saídas até suas entradas em anos. Não tenho luz sobre este aspecto, mas tenho as medidas da história, que apresentam indicio de que nada é por acaso. E que tudo pode estar organizado de forma repetida, assim como no santuário as medidas por vezes eram repetidas com cômodos aparelhados. Em uma construção temos altura, largura, comprimento, e sempre temos um ponto de saída ou de origem. Assim ocorre no santuário.

No ano 457 AC temos o decreto de Atarxerxes para reconstrução de Jerusalém, este evento é apresentado na profecia como uma saída. No ano 0-1 temos grandes acontecimentos que levaram ao desenvolvimento de uma cristianismo mais forte com a destruição da cidade de Jerusalém, assim como a destruição do templo (ano 70), uma vez que este evento estava profetizado. No ano 527-565 temos um outro movimento por Justiniano que tentava fortalecer o cristianismo. Temos também o ano 1053-4 outra reforma na igreja cristã, esta serviu para demonstrar que o cristianismo entraria em uma nova faze, com a cisão da igreja Ortodoxa.
Ao navegar por este espaço, você poderá ver muitas saídas e entradas e seus períodos repetidos ou rebatidos.


Quando se trata de estabelecer datas sobre os acontecimentos antes de Cristo, sempre existirá dificuldades, afinal de contas se temos a mesma dificuldade em alguns eventos  depois de Cristo, e isto já é o suficiente para entender que a história sempre apresentará faces diferentes. Mesmo neste material você poderá notar que eu apresento datas para uma "saída ou entrada" diferentes para o mesmo evento, dependendo muito da linha apresentada.
Mas não irei apresentar exemplos neste material, talvez no futuro faço uma matéria falando sobre este ponto.

Mas não gosto de especulações, assim neste espaço não busco delinear qual seria as medidas correspondentes dos compartimentos do templo, apenas busco apresentar que assim como o templo tem medidas rebatidas, assim a história segue este conceito, no que se refere aos períodos, de uma faze a outra.

É certo que ainda não temos uma luz clara,  e isto nos  coloca em uma posição um tando cuidadosa sobre o assunto. Mas, por outro lado, precisamos tomar o cuidado de não ir ao outro extremo, de se opor ao este estudo como se fosse apenas algo que desperta a curiosidade, mas como uma ferramenta que alcança pessoas.  

A maior dificuldade de todas as pessoas após se estabilizar-se em uma fé, é que todo assunto que lhe pareça novo, é instantaneamente rejeitado. Existe uma contaminação intelectual da fé chamado orgulho religioso, que foi condenado pelos reformadores no passado, e acabam criando raízes nos lideres de hoje.
Por outro lado, exitem aqueles que quando surge uma nova oportunidade de esclarecer um novo ponto, acabam passando do limites estabelecidos no assunto. Cuidar sobre estes pontos,  seria a melhor coisa a fazer, tanto por aqueles que estudam estes pontos, como para aqueles que se opõem ao assunto.

Quanto as minhas publicações, sempre afirmo aos leitores, que estas matérias podem ser redigidas, uma vez que faz parte de um estudo não de uma verdade absoluta.
A arrogância de acreditar que já se tem toda luz da escritura, não deve fazer parte do perfil cristão. Vou deixar um conselho, não estude somente para ter conhecimento, mas para dividir o mesmo.

Não foi o Anjo do Senhor que lhes orientou a medi-las? No livro Apocalipse foi dito a João, "mede", e se medi-las não tem nenhuma correlação com as medidas do pátio, com uma extensão de 1260 anos, o porque foi dito "mede" o restante?

Voltando a Ezequiel, a este foi dito "mostra esta casa, para que se envergonhe". Minha pergunta parece ser obvia, como alguém se envergonharia das medidas da estrutura, ou das medidas de um santuário se estas medidas não estivesse ligadas de alguma forma a períodos da história religiosa? Poderia o setor dado aos gentios ter medidas em anos e o restante não seguir o mesmo parâmetro de entendimento?

Alguns estudiosos apresentam que quando foi dito que o santuário deveria ser medido, isto simboliza apenas que cada parte do santuário iria passar por julgamento. Ainda que seja verdade que cada medida esteja relacionado a o juízo, "As vossas iniquidades, e juntamente as iniquidades de vossos pais, diz o SENHOR, que queimaram incenso nos montes, e me afrontaram nos outeiros; assim lhes tornarei a medir as suas obras antigas no seu seio."  (Isaías 65 : 7).
A bíblia é muito clara em apresentar que medir pode estar relacionado a fazer juízo, ou estabelece-lo.
Se assim for meus estudos sobre as medidas do tempo faz ainda mais sentido comparar com as medidas da história. E não somente com as medidas da história, mas com as do santuário, ou Tabernáculo.

Deus disse mais a Ezequiel.

"E, envergonhando-se eles de tudo quanto fizeram, faze-lhes saber a forma desta casa, e a sua figura, e as suas saídas, e as suas entradas, e todas as suas formas, e todos os seus estatutos, todas as suas formas, e todas as suas leis; e escreve isto aos seus olhos, para que guardem toda a sua forma, e todos os seus estatutos, e os cumpram."  (Ezequiel 43 : 11)

Eu normalmente apresento neste espaço que a história é a repetição das medidas do tabernáculo.
QUE O PERÍODO DA HISTÓRIA,
E
TODO TEMPLO TEM:

  • Casa com Formas 

Baseado em estatutos.

  • Leis 
Baseados em conceitos

Para serem respeitados e cumpridos conforme a definição de cada espaço, ou limites.

Conclusão.

Normalmente não comparo as medidas do templo propriamente dito, uma vez que desconheço as medidas claras do templo, apenas comparo as medidas da história de Israel com as medidas do cristianismo, pois, se as medidas do templo são repetidas, ou rebatidas, as medidas do cristianismo também é, assim como outras derivadas do cristianismo. Assim resta a você definir-se, ou escolher, em que lado irá estar enquanto um período se desenvolve.

Você pode notar estas semelhanças nas postagens anteriores publicadas neste espaço.


Estas linhas do tempo foram postas como exemplo, não farei comentários sobre estas.
E de certa forma, o cristianismo pode se beneficiar com estas medidas da história, e até se envergonhar, e quem sabe, de seu estado. Este é objetivo deste espaço, não de te convencer ao cristianismo, mas para te deixar de forma clara que Deus, e não os homens, esta no controle de tudo.   Assim como Ezequiel, não desejava que seus ouvintes se convertesse  ao judaísmo, mas sua meta principal era levar o povo judaico a se envergonhar de suas fraquezas. 
E que fraqueza seria esta? Duvidar da unica certeza apresentada na bíblia toda, que Deus existe, e que esta no controle de tudo. 

Aplicação para os tempos de Ezequiel.

Os povos a sua volta os levaram cativos, conquistaram seus limites, elevam os impostos, restringia sua religião, esta á a nuvem que povoava suas mentes dos cativos destruindo sua confiança em Deus. Muitos judeus se afastavam mais e mais de Deus, havia necessidade de um chamado de Deus. Mesmo aqueles que buscavam uma relação diária com Deus, estavam com os pés fracos e mãos debilitadas na fé.
Deus olhando os poucos que ainda lutavam pela sua vida espiritual, pede Deus a Ezequiel; "Mostre o templo". um templo inexistente na Terra, mas que foi-lhes apresentado como ainda existente na visão. Havia rituais que, ou não existia anteriormente, ou que, foi reformado a mente destes. Mas Deus, fez mais que isto, apresentou a estes que havia limites no templo, assim como existia limites para tudo na vida.

Aplicação para os cristão Primitivos.

Quando Deus falou a João na Ilha de Pátimos, os cristãos estavam confusos, as igrejas enfraquecidas por contantes apostasias e provas, os portas estandartes haviam sofrido martírio por amor a Cristo. Agora os cristãos estavam sem seus principais lideres, sem uma terra, e seus filhos sofrendo por amor a Cristo. Todos sabiam que Jesus estava no santuário do Céu, mas  estes cristãos estavam sendo massacrados por todo tipo de dificuldades, esperavam um dia ver o fim de tudo isto.
Então Deus novamente se levanta e diz: "mede o templo". E desta forma apresentou a estes de forma clara, que tudo tem seu limite, e mais que isto, apresentou nas medidas, que um dia a igreja estaria livre para pregar o evangelho.
Quando apresento estas medidas, meu objetivo é o mesmo de Ezequiel ou de João, lembrar a você que:
  • Deus existe no santuário do Céu.
  • a aflição não dura para sempre,
  • que apesar de tantas dificuldades,  existe um Deus no controle de tudo,
  • e que os poderes estão em um período de permissão.
Mas lembra-se, o esforço do profeta, e a clareza de sua mensagem estava limitada a reação dos seus contemporâneos, a clareza de entendimento do assunto dependeria mais do povo, do que de Ezequiel. 
"E, envergonhando-se eles de tudo quanto fizeramfaze-lhes saber..."  (Ezequiel 43 : 11) 

Todos nós temos  uma responsabilidade individual, não temos como culpar os outros pela nossa forma de agir ou reagir. O entendimento mais profundo das escrituras não depende dos outros, mas de mim e de você. Pense nisto.

TENHA UM BOM DIA.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço desde já pelo seu comentário, positivo ou critico.